26/02/2024 às 10h56min - Atualizada em 27/02/2024 às 00h03min

Quais os impactos da adenomiose na gravidez?

Uma em cada dez mulheres no mundo podem sofrer com o problema de saúde

Redação
Freepik
 Fevereiro de 2024 - De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a adenomiose - condição médica é caracterizada pela presença anormal de tecido glandular endometrial, o mesmo que reveste o interior do útero nas camadas musculares do útero - afeta aproximadamente uma a cada dez mulheres globalmente.

Entre os sintomas comuns da doença estão dor no período menstrual (dismenorreia), desconforto durante a relação íntima, dificuldade para engravidar, aumento do fluxo menstrual, inchaço abdominal, infertilidade e abortos espontâneos. Além disso, muitas mulheres diagnosticadas com a doença sentem insegurança em relação à sua capacidade de engravidar, e se essa condição pode prejudicar uma atual gestação.

A seguir, o Dr. Thiers Soares, ginecologista cirurgião especialista em endometriose, adenomiose e miomas, traz informações que podem ajudar a diminuir os riscos desses problemas, além de abordar as possíveis consequências da adenomiose em uma gravidez: 
  • Impacto da adenomiose na fertilidade
A adenomiose pode afetar negativamente a fertilidade das mulheres, tornando a concepção mais desafiadora, devido a possíveis alterações na estrutura do útero que dificultam a implantação do embrião. Isso pode ser causado pelo aumento da inflamação uterina, tornando o ambiente menos propício para a gravidez e aumentando o risco de complicações. Embora nem todas as mulheres com adenomiose enfrentam dificuldades para engravidar, é importante avaliar cada caso individualmente para desenvolver estratégias de tratamento e realizar o desejo de ser mãe quando necessário.
  • Tratamento pré-concepção
Quando as mulheres enfrentam dificuldades para engravidar, os médicos muitas vezes recomendam exames de imagem, preferencialmente ressonância magnética, para avaliar a condição do útero, identificando a adenomiose e suas possíveis alterações. Com base nessa avaliação detalhada, estratégias de tratamento personalizadas podem ser desenvolvidas para aumentar as chances de gravidez bem-sucedida.

Antes de iniciar a jornada para conceber, algumas mulheres optam por tratar a adenomiose para aliviar sintomas e otimizar as condições uterinas. Opções terapêuticas incluem medicamentos para reduzir desconforto e sangramento menstrual excessivo, além de cirurgias para ressecar adenomioma ou adenomiose difusa, dependendo da gravidade da condição.
  • Tratamento cirúrgico
No tratamento da adenomiose, as opções cirúrgicas minimamente invasivas visam preservar a fertilidade e melhorar a qualidade de vida das pacientes. Procedimentos como cirurgia robótica, laparoscopia, histeroscopia e radiofrequência oferecem alternativas menos invasivas, com recuperação mais rápida e menor impacto no sistema reprodutivo.

A histerectomia (remoção do útero) é reservada para casos mais graves em mulheres não interessadas em engravidar, quando os sintomas são debilitantes e outras opções foram consideradas e descartadas. 
  • Gravidez com adenomiose
Mulheres com adenomiose podem engravidar, mas devem estar cientes dos possíveis desafios durante a gestação, como maior risco de aborto devido às alterações no útero. Portanto, o acompanhamento médico e o cuidado pré-natal são essenciais para garantir a saúde da mãe e do feto.

Diversas opções de tratamento, incluindo terapias conservadoras e procedimentos minimamente invasivos podem aliviar sintomas e preservar o desejo de engravidar. Se um profissional sugerir que a gravidez não é possível, buscar uma segunda opinião é fundamental, especialmente se a histerectomia for recomendada.


Sobre o Dr. Thiers Soares
Doctor Honoris Causa pela Universidade Victor Babes/Romênia, Dr. Thiers Soaresgraduado em Medicina pela Fundação Universitária Serra dos Órgãos (2001), é ginecologista especialista em doenças como Endometriose, Adenomiose e Miomas. Também é médico do setor de endoscopia ginecológica (Laparoscopia, Robótica e Histeroscopia) do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ). O especialista é membro honorário da Sociedade Romena de Cirurgia Minimamente Invasiva em Ginecologia, membro honorário da Sociedade Búlgara de Cirurgia Minimamente Invasiva, membro honorário da Sociedade Romeno-Germânica de Ginecologia e Obstetrícia e membro da diretoria e comitês de duas das maiores sociedades mundiais em cirurgia minimamente invasiva em ginecologia (SLS  e AAGL). Recentemente, o Dr. Thiers Soares foi um dos responsáveis por trazer para o Brasil a técnica de Ablação por Radiofrequência dos Miomas Uterino, um tratamento moderno e eficaz, que causa a destruição térmica de tumores uterino
  
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://novojorbras.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp