26/03/2024 às 14h44min - Atualizada em 27/03/2024 às 00h11min

A descarbonização do transporte urbano

É evidente a necessidade da implementação de um programa nacional de renovação da frota que incorpore veículos de baixas emissões de poluentes para a descarbonização do transporte urbano

Kasane Comunicação Corporativa
Kasane
Arquivo pessoal

O transporte urbano convencional opera há onze décadas no Brasil com a tecnologia convencional a diesel. Segundo o Anuário NTU (2022-2023) em estudos registrou que a idade média da frota urbana é a maior de todos os 28 anos da série histórica do setor.
Desse modo, fica evidente a necessidade da implementação de um programa nacional de renovação da frota que incorpore veículos de baixas emissões de poluentes para a descarbonização do transporte urbano. O Caderno Especial 58 da NTU ressalta a importância de políticas públicas dedicadas a sustentabilidade do transporte urbano dada a sua relevância e atualidade quanto aos objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) da ONU e climático (NDCs) , que passaram a ter atenção política e importância estratégica para o desenvolvimento econômico do País .
No caso dos veículos com motores a combustão, as diversas tecnologias de redução das emissões de CO2 de origem fóssil têm sido desenvolvidas sem prejuízo, como, por exemplo, o Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores – Proconve, aplicado aos veículos novos. Na sua fase P8, equivalente à classe Euro 6, abrangendo agora todos os modelos comercializados de veículos pesados, não somente os novos modelos, que desde janeiro de 2022 já atendem às exigências de P8 e é um grande aliado da implementação da descarbonização do setor.
O presidente do Grupo Volvo América Látina, Wilson Lirman apresentou com objetivo da montadora a redução até o ano de 2025 em 20% as emissões de CO2 na América latina e em 100% em 2040 em todo o mundo. O gerente comercial da Cummins Emissions, Daniel Malaman, relata em entrevista com a Mobilidade Estadão que os primeiros passos já foram dados há alguns anos, mas agora a companhia resolveu nomear esse plano que tem como objetivo eliminar as emissões de combustíveis fósseis até 2050. Ambos apresentam o crescimento da frota a diesel com a tecnologia Euro 6 como essencial para o cumprimento das metas de descarbonização do setor urbano .O Euro 6 é um conjunto de normas regulamentadoras sobre emissão de poluentes para motores diesel. No Brasil, a oitava fase (Euro 6) entrou em vigor em janeiro de 2023.
No caso da emissão de hidrocarbonetos, o sistema Euro 6 estabelece um limite de 0,09 gramas para cada cavalo de potência do motor por hora de funcionamento. Isso representa uma redução de 72% no limite da norma anterior. Quanto a emissão de óxido de nitrogênio (NOx), passa a ter um limite 80% menor.
Segundo a Wolkswagen do Brasil para atingir os limites mais rigorosos de emissões foram desenvolvidas tecnologias mais avançadas para controle dessas, como o sistema SCR (Redução Catalítica Seletiva) e EGR (Recirculação de gases da exaustão). A publicação do Conama no Diário Oficial da União também aponta a redução de ruídos, com o limite de 72 decibéis nesta primeira fase, em 2023.
A norma reflete o compromisso dos países com a redução do impacto ambiental, estimulando a busca por soluções mais limpas e sustentáveis na mobilidade. Contudo, é necessário atenção as desvantagens do Sistema Euro 6 para que a transição da frota tenha menor impacto nas atividades do setor. Assim, é importante ter atenção com alguns pontos como o maior custo de implementação e manutenção. Além disso tecnologias de controle de emissões podem afetar o desempenho ou a eficiência dos veículos, como o consumo de combustível. 
Eliane Kihara é integrante do Mova-se Fórum Nacional de Mobilidade e gerente de manutenção da Metrobus
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://novojorbras.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp