22/03/2024 às 16h08min - Atualizada em 23/03/2024 às 00h13min

A crise hídrica global e o futuro da água potável 

*Larissa Warnavin* 

Valquiria Cristina da Silva Marchiori
Rodrigo Leal

A crise hídrica é uma realidade cada vez mais premente no mundo contemporâneo. O cenário é alarmante: a poluição dos rios, a crescente demanda por água na indústria e na agropecuária, as mudanças climáticas e a escassez em várias regiões do globo nos confrontam com a urgência de agir para encontrar soluções para que o futuro não seja tão catastrófico. Por isso, neste Dia Mundial da Água (22), a reflexão sobre o tema é essencial. 

A ONU, ao instituir esta data na Rio-92, nos recorda da importância da água para manutenção da vida e da necessidade de preservar nossos recursos hídricos. Todos os anos, há um slogan proposto pela organização para celebração dessa data, sendo em 2024 "Aproveitando a água para paz", no qual é destacada a cooperação transfronteiriça como peça-chave para a promoção da paz e do desenvolvimento sustentável, pois a maior parte dos países compartilha bacias hidrográficas e, portanto, a colaboração é fundamental para garantir o acesso a esse recurso vital. 

Dados do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos de 2023, revelam que cerca de 2 bilhões de pessoas ainda vivem sem acesso à água potável. O consumo de água doce aumentou drasticamente, ao longo do último século, e a previsão é de um aumento de quase 25% até 2030. A escassez econômica da água é uma realidade para muitas regiões, onde a infraestrutura necessária para o acesso não está disponível. 

Embora a água cubra cerca de 75% da superfície terrestre, apenas 3% dela é potável. A distribuição desigual dos recursos hídricos, somada aos padrões de consumo e à poluição, tornam a situação ainda mais desafiadora. É preciso que as políticas públicas se concentrem em ampliar as fontes de distribuição e captação de água, além da promoção da educação ambiental e o fortalecimento dos mecanismos de controle da poluição. 

As mudanças climáticas também representam uma ameaça adicional ao futuro da água. Alterações nos padrões de chuva, decorrentes do desmatamento e de outras atividades humanas, podem ter impactos devastadores, como a perda de safras inteiras para os agricultores e a escassez de chuvas em regiões em que as chuvas foram anteriormente abundantes. A poluição dos recursos hídricos também compromete a qualidade da água disponível, exigindo ações urgentes para a recuperação e conservação. 

É imperativo que seja feita a redução do desperdício de água e que todos adotem práticas mais sustentáveis em nosso cotidiano. A conscientização sobre o uso responsável dos recursos hídricos é fundamental para garantir a sobrevivência das gerações futuras e impedir que a água se torne uma commodity e se torne de cara e de difícil acesso. A crise hídrica não é uma ameaça distante; é um problema global que exige ação imediata e colaborativa. 

*Larissa Warnavin é geógrafa, mestre e doutora em Geografia. Docente da Área de Geociências do Centro Universitário Internacional Uninter. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://novojorbras.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp