22/03/2024 às 09h15min - Atualizada em 23/03/2024 às 00h00min

Experiência de uma professora de um outro tipo de escola

Brasileiros podem participar do Projeto de Estudos + Voluntariado na CICD - "Another Kind of School"

IVI NOGUEIRA PIOTTO
https://cicd-volunteerinafrica.org/
CICD
 

O novo eu: Carla como professora!

Por Carla Barrado, professora da CICD

 

Eu sabia que não queria continuar a fazer parte dessa sociedade capitalista e consumista na qual o que você faz não tem valor e na qual você normalmente trabalha para alguém, fazendo com que essa empresa ou essa pessoa cresça economicamente. Por isso, achei que essa aventura de trabalhar como professor na 'Another Kind of School' me daria a oportunidade de trabalhar com os outros e comigo mesma, e não para os outros e me esgotando para obter lucro para os outros. E todos os dias a frase "trabalhe com o que você gosta e você nunca mais trabalhará" ressoa em minha cabeça e me faz sorrir. Porque sou uma trabalhadora, sim, mas também estou vivendo a mesma experiência que os alunos, e é uma sensação incrível.

 

O que significa ser “another kind of teacher” ou outro tipo de professor?

É importante destacar que não é fácil ser professor ou, em geral, não é fácil viver nesse tipo de ambiente. Enfrentamos tópicos muito controversos todos os dias durante os cursos e tarefas, e o estilo de vida da comunidade nos faz gastar muita energia pessoal. Além disso, cada pessoa vem de um lugar diferente do mundo - e as idades variam - e os fardos pessoais também vêm com cada pessoa. Muitas vezes é difícil encontrar o equilíbrio entre o ponto médio, mas, ao mesmo tempo, é uma tarefa fácil. Pode parecer contraditório, uma vez que isso vem de cada pessoa. Aqui todos têm de contribuir com seu grão de areia nessa experiência e é responsabilidade de todos fazer com que isso funcione. É realmente uma experiência única e muito rica.

 

Carla e sua equipe realizam 1/2 dia de ações práticas preparando lenha, apoiando o Building Weekend

 

 

A equipe Gaia aprendendo sobre as condições dos refugiados em todo o mundo, aqui com um jogo para ilustrar os obstáculos que eles encontram.

A equipe Gaia saiu para um passeio na área local, aqui desfrutando de um café com Rolf

 

Gosto de pensar em mim como um guia e facilitador. A ideia de que eu tenho os conteúdos que os alunos devem estudar e depois provar que aprenderam por meio de um exame não funciona aqui. Aqui as coisas são diferentes, aqui são oferecidos materiais para aprender e reforçar os diferentes tópicos que estudamos, mas, ao mesmo tempo, é o aluno que deve tirar suas conclusões ou até mesmo alterá-las ou readaptá-las se considerar apropriado após um debate em sala de aula. Além disso, é o aluno que prepara seus próprios exames - talvez com uma apresentação teatral baseada em um processo judicial ou uma música criada a partir de uma investigação sobre moradores de rua na capital do país. Não há realmente uma diferença entre professor e aluno, talvez a voz da experiência seja quem manda aqui.

 

Meu lema: Aprender fazendo

Aprender fazendo, meu lema, o lema deste lugar. Sem dúvida, é o que mais aprendo aqui e no que penso quando as coisas parecem se tornar difíceis ou complicadas. Adoro poder combinar habilidades práticas com as teóricas. E acredito muito no trabalho em equipe, no desenvolvimento da capacidade de organizar eventos e criar novas experiências e na possibilidade de encontrar uma solução para os problemas. Adquirir novos conhecimentos por meio da experiência de fazer coisas novas.

Há momentos em que, como professor, você precisa criar estratégias para unir o grupo e, por exemplo, me vem à mente a ideia de manter o idioma oficial do grupo (inglês) para que todos se sintam parte dele, de perguntar a eles como estão e como foi a semana. Depois, sentar junto com eles e fazer com que se sintam apoiados e cuidados e, acima de tudo, acho que é muito necessário criar um espaço seguro na classe para que possam se expressar e ser eles mesmos. No final das contas, estamos vivendo como uma grande família e as emoções também estão em jogo aqui. Porque uma pessoa sozinha é rápida, mas se trabalharmos juntos em um grupo, podemos ir mais longe.

Vim para o CICD como aluno do Gaia há quase 5 anos e agora continuo nessa aventura. Você sabe quando chega, mas não especificamente quando vai embora - mas no bom sentido da frase. Porque se eu voltar aqui, e em outro estágio, será por uma razão. E é bom ter essa sensação.

Sempre me lembrarei da frase que disse quando cheguei aqui pela primeira vez: que queria descobrir uma nova Carla, e o número delas que está surgindo é incrível. E todas elas são versões bastante positivas.

Experiência de Carla Barrado, professora do Programa de 10 meses ou 12 meses de “Poverty Activist”, na Inglaterra, que traz oportunidade a todos de estudar na Inglaterra e Voluntariar na África ou no Caribe.

 

Instituição CICD: College for International Cooperation and Development.

https://cicd-volunteerinafrica.org/


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://novojorbras.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp