20/03/2024 às 16h29min - Atualizada em 22/03/2024 às 00h09min

Entenda o perigo de oferecer chocolate para os pets

Thais Gobbi
Adimax - Divulgação
A proximidade da Páscoa traz o alerta aos tutores de pets para não oferecerem chocolate aos seus animais. Ainda que seja só um pedacinho para satisfazer aquele olhar pidão, esta delícia típica da data, dos simbólicos ovos com os mais diversos recheios e formatos, aos tradicionais bombons e barras, está no topo da lista de alimentos proibidos para os pets. Mas você sabe o que faz do chocolate um vilão para os cães e gatos?

Ao contrário do que as pessoas costumam acreditar, não é o açúcar contido na guloseima que a torna altamente prejudicial à saúde dos animais de companhia. Gustavo Quirino, médico-veterinário da Adimax, explica: “O chocolate contém teobromina, uma substância tóxica para os cães e gatos, pois seu organismo não a metaboliza da mesma forma que o organismo humano. A teobromina é muito parecida com a cafeína e tem a finalidade de fornecer energia, mas os pets têm uma sensibilidade muito grande a ela e este efeito de estímulo acaba sendo potencializado”.

As consequências da intoxicação pelo chocolate dependem da quantidade que o pet ingeriu: “Nos casos em que a ingestão de chocolate for pequena, o animal pode apresentar vômito e diarreia. Entretanto, quando a quantidade ingerida pelo pet for grande, pode ocorrer problemas no coração, convulsões e até levar o animalzinho ao óbito!”, alerta o médico-veterinário.

E se para os humanos os chocolates amargos são considerados mais saudáveis, para os pets eles são ainda mais prejudiciais. Gustavo esclarece que, quanto maior a concentração de cacau, maior será a quantidade de teobromina em sua composição, de forma que o pet precisaria comer menos quantidade para passar mal.

Para os tutores que fazem questão de estender a celebração aos seus animais, existem no mercado diversas opções de petiscos apropriados para o consumo por cães e gatos: biscoitos, bifinhos ou até alimentos úmidos, que geralmente são muito saborosos para eles. Existem, inclusive, alguns produtos no mercado pet que apresentam o formato de ovo de Páscoa, mas não são feitos de chocolates. Vale reforçar que o consumo desses alimentos não pode ser à vontade e o tutor deve sempre conferir na embalagem a quantidade máxima que pode ser ofertada para seu pet.

Além do chocolate, há uma série de comidas típicas destas celebrações em família que apresentam riscos ocultos para nossos amigos de quatro patas: carnes e aves especiais, bacalhau, castanhas, uvas frescas e passas, sementes de frutas, temperos como cebola e alho e ossos são alguns exemplos. “A ingestão de alimentos gordurosos pode levar à inflamação do pâncreas; já o consumo de ossos pode ser ainda mais perigoso, pois podem causar perfuração intestinal , levando a uma condição de urgência; por fim, ingredientes como a cebola e o alho estão presentes o ano todo, mas vale reforçar que seu consumo pelos pets também pode oferecer riscos à saúde, como palidez, aumento da frequência dos batimentos do coração e da respiração, apatia, fraqueza, vômito, diarreia e dor abdominal”, exemplifica o médico-veterinário.

No caso de dúvidas, principalmente se o animal ingerir acidentalmente um alimento e o tutor notar que ele apresenta algum mal estar, é recomendado que seja levado imediatamente ao médico-veterinário de confiança.


Contato com a imprensa:

Thais Gobbi
(19) 99222-2198
[email protected]

Julia Teixeira
(19) 99134-4050
[email protected]
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://novojorbras.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp